ESPELHOS DE SOLIDÃO Shellah Avellar

Sombras que se repetem
Sob a mesmice dos arranha-céus
Escondem retalhos de anseios
De cimento humano armado

Janela escancarada,
Braços abertos,
Engulo o rastro vermelho dos faróis

Escorre um fiapo de vida
Do meu coração gelado

Pelos desvarios de Santo Paulo
Espelhos de Solidão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *