CENSURA OU DIREITOS DEMASIADAMENTE HUMANOS? shellAHAvellar

A batalha da Imprensa é desigual.

De um lado, um veículo que dispõe de um conglomerado, pode fornecer seus mecanismos para proteger seus interesses e o status quo.

De outro, a imprensa independente, constantemente sujeita a pressões e ameaças, tentando tornar público, o que de fato, “todo mundo já sabe”: os coquetéis de abuso de poder, fraudes, injustiças e violação dos direitos humanos em sua mais completa definição   e que a Organização das Nações Unidas (ONU) traduz como  garantias de proteção das pessoas contra ações ou falta de ações dos governos que possam colocar em risco a dignidade humana.

Direitos Humanos

A Primeira Declaração dos Direitos Humanos, é atribuída ao rei persa (antigo Irã) Ciro II ,O Grande ,depois de sua conquista da Babilônia em 539 AC.

Foi descoberto em 1879 e a ONU o traduziu em 1971 a todos seus idiomas oficiais.
Gravado no Cilindro de Ciro, decretou-se que os povos exilados na Babilônia regressassem à suas terras de origem

O ‘Cilindro de Ciro’ é um cilindro de barro que está exposto no Museu Britânico , em Londres.





Em 1776, a Declaração de Direitos de Virgínia, Estados Unidos, escrita por George Mason (agricultor e político influente) a primeira da época moderna.

E ,logo em seguida, a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão (1789) na França. Inspirada na declaração de 1776 e no espírito filosófico do século XVII, a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão de 1789 marca o fim do Antigo Regime e o início de uma nova era. Expressamente visada pela Constituição da Vª República.

diferença crucial entre a França e a Inglaterra é que os ingleses adotaram o parlamentarismo com a monarquia. Assim, o governo era representado pelos monarcas, mas o corpo de leis que regula o governo era estabelecido pelo Poder Legislativo. Já os franceses adotaram o sistema republicano, havendo tripartite dos poderes (proposta do filósofo iluminista francês Charles de Montesquieu), que visa  combater qualquer tipo de excesso de poder a partir da repartição igualitária dos âmbitos legislativo, executivo e judiciário.

A criação da Organização das Nações Unidas em 1945 também faz parte da história da evolução dos direitos humanos. É um fato importante porque um dos objetivos da ONU é garantir a dignidade de todos os povos e tentar diminuir as desigualdades mundiais.

Em 1948, a ONU aprovou a criação da Declaração Universal dos Direitos Humanos e em 1966 foram criados mais dois documentos: o Pacto Internacional sobre os Direitos Civis e Políticos e o Pacto Internacional sobre os Direitos Econômicos, Sociais e Culturais:

Todos seres humanos são livres e iguais em direitos e dignidade.

Capacidade e liberdade para viver sem discriminação.

Direito à vida, liberdade e segurança.

Nenhuma pessoa deve ser escravizada.

Ninguém deve ser torturado ou receber tratamento cruel.

Direito de reconhecimento como pessoa.

Igualdade perante a lei.

Direito de acesso à justiça quando direitos forem violados.

Ninguém deve ser preso arbitrariamente.

Todas as pessoas têm direito a julgamento justo.

Direito à presunção de inocência até que a culpa seja provada

Proteção à vida privada e familiar.

Liberdade de movimentação e de deixar e voltar a qualquer país.

Direito de procurar asilo em outros países.

Direito de ter uma nacionalidade.

Direito ao casamento e à família.

Proteção da propriedade.

Liberdade de fé e prática religiosa.

Liberdade de expressão e de opinião.

Direito ao descanso e ao lazer.

Liberdade para participação em associações.

Acesso ao governo e ao serviço público do seu país.

Direito à segurança e proteção do Estado.

Direito ao trabalho e proteção ao desemprego.

Padrão de vida que garanta saúde e bem-estar à família.

Direito à educação, gratuita nos anos fundamentais.

Acesso às artes, cultura e ciências.

Direito de viver em uma sociedade justa e livre.

Cumprimento de deveres com a comunidade, de acordo com os princípios das Nações Unidas.

Proteção dos direitos determinados na Declaração.

Temos presenciado a Violação dos Direitos Humanos através das civilizações em governos desgovernados e líderes absolutistas e uma total desinformação sobre como reivindicar estes direitos pela classe trabalhadora e pela sociedade civil .O que culmina na opção  pela escolha de manutenção das desigualdades pelos podres poderes, de quaisquer lados e posições políticas de todos os naipes.

O primeiro artifício de todos estes males é a dissimulação. Desígnios e sentimentos a ocultar, formatam os mestres da aparência, travestindo seus olhares e ares, primando por colorir suas atitudes e envernizando sem moderação, as sombrias paixões que lhes corroem.

Perder-se da espontaneidade e se embrenhar nas fraudulentas fantasias do imediatismo para fazer sobreviver o sistema, não é tarefa fácil.

Pois o prazer do exercício do poder leva ao conforto da distração, e, consequentemente à omissão. A reflexão cansa e desencanta.

Um mundo não reflexivo é um mundo que se pretende suficiente e completo.

Ao contrário do viés psicológico de Locke e Condillac.

Locke e Condillac e a racionalidade humana

Nesta tentativa insana de entender a racionalidade humana, retomo o filósofo inglês John Locke, pai do liberalismo, Conhecido como o fundador do empirismo, além de defender a liberdade e a tolerância religiosa. Pregou a teoria da tábua rasa, segundo a qual a mente humana era como uma folha em branco, que se preenchia apenas com a experiência. Esta era uma crítica à doutrina das ideias inatas de Platão, segundo a qual princípios e noções são inerentes ao conhecimento humano e existem independentemente de experiência.

Um dos objetivos de Locke é a reafirmação da necessidade do Estado e do contrato social e outras bases. Locke acreditava que se tratando de Estado-natureza, os homens não vivem de forma bárbara ou primitiva. Para ele, há uma vida pacífica explicada pelo reconhecimento dos homens por serem livres e iguais.

E, de  acordo com Etienne de Condillac, ordenado padre no Seminário de Paris e Teólogo pela Sorbonne, autor de Tratado dos Sistemas e Tratado das Sensações, entre outras obras, pregava que “ afastando-se das ideias inatas a ciência só pode se estabelecer a partir da racionalidade, que requer entender e aplicar como o pensamento funciona, ou seja, sempre em uma estrutura”. Para isto, são necessários princípios que, numa escala piramidal, se organizem da seguinte forma: dos fatos gerais até os fatos constatados. 

Toda esta complexidade aparente é apenas uma tentativa de pontuar o comportamento de um ser humano que se propõe a intimidar, a reprimir e a violentar um outro ser humano por não reconhecê-lo como seu igual.

A incapacidade de superar as diferenças com harmonia e desprendimento de radicalismos que só resultam em conflitos desnecessários, discussões intermináveis e guerras sangrentas.

Do ser humano que expulsa a reflexão. Que pretende se governar, mas se deixa governar pela insensatez da alienação.

Thomas Hobbes e o ser humano predador

Segundo Hobbes, os seres humanos possuem uma tendência natural à violência: “O homem é o lobo do homem.”

Por conta de seu intelecto, os seres humanos dominam a natureza, mas encontram em outros seres humanos os seus grandes rivais, seus verdadeiros predadores naturais.

Os desejos dos indivíduos em estado de natureza gerariam disputas que poderiam levar à morte de uma das partes do conflito.

Pela necessidade de segurança e, principalmente, por receio de uma morte violenta, os indivíduos preferem abrir mão de seu direito à liberdade e igualdade dados pela natureza.

Rosseau  e a Origem e os Fundamentos da Desigualdade

Relembro Rousseau, quando diz que “tudo nos oferece mil pontos de apoio quase seguros para governar em sua origem os sentimentos pelos quais nos deixamos dominar.”

Rousseau escreveu, além de estudos políticos, romances e ensaios sobre educação, religião, música, ética, autobiografia e literatura.

Sua obra principal é Do Contrato Social, publicada em 1762.Ali, defende a ideia de que o ser humano nasce bom, porém a sociedade o conduz a degeneração. Afirma também que a sociedade funciona como um pacto social, onde os indivíduos, organizados em sociedade, concedem alguns direitos ao Estado em troca de proteção e organização. A filosofia política, que surgiu a partir dessa obra e dessas ideias, é conhecida como Contratualismo.

Suas observações sobre a natureza do ser humano e a sociedade, são extremamente críticas. Defendeu a aproximação entre justiça e liberdade. E era amplamente favorável, na sociedade, à soberania da vontade coletiva.

Por isso começou a ser perseguido na França, pois suas obras foram consideradas uma afronta aos costumes morais e religiosos.

Todas estas considerações e voltas pelos pensamentos de alguns luminares e muita reflexão, servem para não me revoltar com os meus semelhantes e tentar compreender através deles minha própria agressividade.

E perdoar minha revolta, quando me deparo com a injustiça em suas múltiplas vestimentas.

Vivemos em tempos nublados em que a humanidade se iguala ainda que por um momento, no confinamento, e numa abertura ilusória de que tudo voltou ao normal.

Aqui, na pátria amada, ignoramos os índices de óbitos que se multiplicam e, num completo desamor por nós mesmos e pelos outros, quebramos os protocolos mínimos de proteção em relação ao Covid 19.

As notícias se embolam pelos meios eletrônicos disponíveis, e nas redes sociais, dando o certo pelo incerto e as mentiras por verdades.

As Instituições, as governanças, os poderes e o povo hasteiam bandeiras de paz, manchadas de sangue e de corrupção.

O conflito está nas paradas de sucesso. O ódio é a celebridade instantânea.

O abismo das desigualdades está cada vez mais profundo.

A humanidade está mais iludida pelo que o mundo poderia ser do que enxergá-lo como está, para poder mudá-lo.

Nossa flora e nossa fauna estão em chamas.

Os artistas tentam se reinventar febrilmente para arrancar dentro de si uma obra fulgurante para se aplaudir internamente.

E cada ser humano, em suas profusas escolhas, tem que se rever diante dos desafios.

O nosso tempo é codificado por uma ampulheta enlouquecida.

As religiões se embalsamaram em dogmas de fé e não se permitem dar as mãos em prol da beneficência. É cada um por si e…Deus? por todos?

Os preconceitos se agigantaram.

A Justiça dorme em berço esplêndido.

E a liberdade de expressão, está deixando de ser um direito humano para ser troca de agressões gratuitas de consequências catastróficas.

Liberdade de Expressão

Censura:

Análise de trabalhos artísticos, informativos e com base em critérios morais ou políticos, para julgar a conveniência de sua liberação à exibição pública, publicação ou divulgação

Ação de controlar qualquer tipo de informação, geralmente através de repressão à imprensa.

Restrição, alteração ou proibição imposta às obras que são submetidas a um exame oficial, sendo este definido por preceitos morais, religiosos ou políticos.

Ação ou poder de recriminar, criticar ou repreender.

.

A Constituição Federal do Brasil, reafirma  em seu artigo 5o: “é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”.

Quando se discorre sobre Direitos Humanos, é preciso primar por seu vital princípio que é a liberdade de expressão.

Os profissionais da Comunicação trabalham com perguntas e querem respostas. As palavras estão a serviço da informação clara e fiel ao fato. Obviamente, sempre haverá as distorções e interpretações dúbias. Entretanto demonizar as instituições e jogar todas no mesmo “balaio de gato “é de uma superficialidade absurda e de um comprometimento sério com a veracidade da notícia.

Diminuir e ofender os profissionais do Jornalismo é relativizar a selvageria.

Censurar matérias em pleno século XXI , é um mergulho na obscuridade.

E, assim, impotentes, assistimos à agonia da Democracia, que se encontra na UTI

em estado grave.

O Diabo SOU EU

Vulgarizar a tortura é jogar no time do lendário Lúcifer , cuja imagem e semelhança ao homem em suas expressões mais primitivas, foi pintado pelas religiões como algo exterior a nós.

No entanto, ao observar os descalabros da humanidade através dos séculos, o tal Diabo, coitado, deve estar passando por uma crise existencial sem precedentes, deitado num divã de algum psicanalista infernal.

As atrocidades, crimes, perversidades, pilhagem e tiranias do homem contra o homem são horripilantes até para o próprio Satã.

Os egípcios enterravam os seus parentes ainda vivos. Os cruzados retalhavam os infiéis. Os doges venezianos colocavam seus adversários em esquifes de ferro com tampas de espetos. Os católicos apunhalavam os protestantes. Lutero apoiou pessoalmente o massacre de cem mil camponeses alemães que haviam se revoltado contra a nobreza e o clero católico, inspirados pelas suas próprias idéias . Os romanos jogavam os cristãos aos leões. Genghis-Kan amontoava cabeças em pirâmide.  O massacre de milhares de chineses na Praça da Paz Celestial pelo Exército Popular da Libertação. O holocausto ucraniano imposto pelos russos. Os empalamentos dos párias na Índia. O Sinédrio Judaico que exigiu a execução de Jesus. Os milhões de judeus que foram asfixiados pelos nazistas.

E as torturas nos infectos porões das ditaduras, transformando os seres humanos em frangalhos, matando e esquartejando para apagar as memórias, cegar de vez a justiça e afogar a verdade.

E, por aí vai. E, até agora, o apartheid continua. A morte a cada vinte e três minutos de negros e homossexuais. Estupros e mortes a cada dezesseis minutos de meninas e meninos e o aviltamento generalizado contra as mulheres e idosos entre outras barbaridades.

Ainda assim, esta tentativa de calar para sempre os resquícios de liberdade, ainda encontra eco no imo de alguns desvairados.

Pobres Mortais

Encerro com o Mito de Prometheus, que sob as ordens de Zeus, seu pai, ficou acorrentado trinta mil anos, sendo picado, diariamente, no fígado por uma águia. Como era imortal, o órgão se regenerava constantemente até que Hercules o libertou, para que se tornasse mortal e pudesse morrer em paz.

Fica aqui a esperança de que conscientes de nossa mortalidade, não banalizemos a vida.

E, ao tentarmos esculpir este Hercules em nós mesmos, nossa lucidez encontre abrigo na solidariedade e na compaixão de uns pelos outros.

Tenho a convicção de que o ego e o discurso interditam a verdadeira comunicação. Persiste a ilusão de que esta, só se realiza nos confins do espasmo e da agonia dos tons extremos e falta de compostura.

Exercermos a liberdade de expressar nossos pontos de vista e debater os impasses dentro dos princípios de respeito mútuo é saudável e fértil. E é bom para o Mundo.

E também é bom para o Brasil.

A fraternidade é viril porque se exerce na troca de ideias. E, não, nos submetendo uns aos outros, e sermos forçados à baixeza de alguma causa falaciosa.

Talvez, então, esta revolução interna, nos alivie da “ressaca” do porre de sermos todas e todos “demasiadamente humanos”.

Viva a Imprensa Livre!

Gandhi persiste… shellAHAvellar

Gandhi_2968255k.jpg (858×536)

Um mito? Apenas um homem? Um acontecimento? A vida singular transformada em maravilha ou a não adequação à vida singular? A obsessão lúcida? Vontade indomável? Um livro aberto? Silêncio inquietante?

Sim, ele era um homem franzino. Pequenino. Quase imperceptível.

Olhos brilhantes. Perscrutadores. Radiografava e escaneava todos os que dele se acercavam, buscando significados nos significantes e insignificantes mistérios da alma humana.

Satya, Verdade e Ahimsa, não violência, eram seus lemas. Seu pensamento, sua obra. Sua ação.

Jejuava pela paz. Jejuava pelo amor. Jejuava para unir. Jejuava para libertar seu povo da opressão britânica.

Mas este fato o torna santo?

Todas as minhas possessões no mundo reduzem-se a um prato da prisão, algumas roupas e a minha reputação, que qualquer um pode utilizar.”

Alguns o qualificam como um mensageiro de Deus, ainda que admitindo nunca ter recebido nenhuma revelação divina.

Ou apenas coerente?

Ele mesmo contradiz a coerência:

“Não estou absolutamente interessado em parecer coerente. No meu caminho em busca da verdade, tenho abandonado muitas ideias e tenho aprendido muitas coisas novas. Velho como sou de corpo, não tenho a consciência de ter cessado de crescer interiormente, ou que o meu crescimento vá estagnar com a dissolução da minha carne. O que me interessa é a minha atitude de prontidão em obedecer ao chamado da verdade, de momento a momento. Há princípios eternos que não admitem compromisso, e o homem deve estar disposto a sacrificar a sua vida para obedecer a esses princípios”.

O menino. O jovem. O chamado.

Mohandas Karamchand Gandhi nasceu no dia 2 de outubro de 1869, em Porbandar, na Índia Ocidental (hoje estado de Gujarat). Casou-se aos 14 anos com Kasturbai, da mesma idade, numa união acertada entre as famílias. O casal teve quatro filhos.

Grande conhecedor das escrituras hindus, aos 19 anos vai estudar Direito na Universidade de Londres, no Reino Unido. Regressa à Índia, Bombaim, como advogado. Depois emigra para a África do Sul, onde viviam 150 mil indianos.

Um divisor de águas em sua trajetória: um incidente ocorrido ao viajar de trem. Gandhi ia na primeira classe, quando solicitaram que se transferisse para a terceira classe, por ele não ser branco. Ao se recusar, foi jogado para fora . O episódio o incentivou a advogar contra as leis discriminatórias vigentes.

A ação de Gandhi consistia em desobedecer as leis inglesas sem se importar com sofrer as consequências do ato, de boicotar os produtos ingleses, de fazer greves de fome para que hindus e muçulmanos deixassem de lado as divergências religiosas e se unissem em favor da causa comum: a independência. Acabou por conquistar admiradores no mundo todo, inclusive na Inglaterra.

Entretanto, a Segunda Guerra Mundial (1939-45) teve o efeito de enfraquecer a Inglaterra, de modo que, ao fim do conflito mundial, não conseguiu mais manter o domínio sobre a Índia. Em 15 de agosto de 1947, a independência da Índia foi declarada. O país, porém, ainda enfrentava forte tensão entre os grupos religiosos rivais e se fragmentou em dois, a Índia propriamente dita e o Paquistão, sendo que este estava geograficamente dividido em Oriental e Ocidental, com um enclave indiano entre ambos.

Portanto, a violência religiosa e a disputa por terras prevaleciam. Em 1948, a ilha do Ceilão, a sudeste do subcontinente indiano, tornou-se um Estado independente, com o nome de Sri Lanka. Do mesmo modo, o Paquistão oriental formaria um novo país, Bangladesh, em 1971.

Hoje, na República da Índia, os conflitos entre hindus e muçulmanos são menores, embora persistam. Outros dois grupos religiosos também têm força no país, os budistas e os sikhs, uma seita hinduísta com características próprias. As relações com o Paquistão ainda são conflituosas, em especial no que se refere à província indiana da Caxemira, no norte do país.

Clarividência

Gandhi agia de modo tão peculiar que soava como absurdo. Parecia um líder nacionalista como outros tantos comuns na época dele, Sukarno na Indonésia, Bembela na Argélia, Nasser no Egito e outros. Porém, diferenciava-se na aplicação dos princípios da autonomia, da autopurificação e da não violência no processo de independência da Índia.

E a independência da Índia não é pouca coisa porque ela era a joia da coroa inglesa. De todas as colônias, era a colônia-chave. Retirada, quebraria o império inglês, como quebrou.

E ele, diante de uma luta tão crucial para o mundo todo, pois se estava mudando um sistema colonial imperialista, do qual a Inglaterra era o paradigma, defendeu que era possível ter um entendimento com o centro do império. E muitas vezes ele defendeu que a Índia e a Inglaterra continuassem ligadas numa comunidade, em que as nações tivessem os mesmos direitos e deveres. Chegou a defender, para desespero dos radicais da época, que era possível e bom para a Índia, para a Inglaterra e para o mundo um entendimento entre as partes, e que os dois pudessem continuar ligados, mas como pares, como iguais.

Infelizmente, o movimento de descolonização, tanto do lado dos oprimidos como dos opressores, não tomou essa posição em lugar nenhum e até hoje se vivem as consequências da independência usando o método tradicional da violência contra a violência. Depois, com o avanço da violência e da repressão dos ingleses, Gandhi aderiu à independência total. O entendimento talvez tivesse mudado a história recente, se tivesse acontecido, se a Inglaterra e as lideranças hindus, que estavam com ele, tivessem tido essa clarividência. Preferiram aquela separação, inclusive com a criação absurda do Paquistão, que foi um acontecimento traumático e desastroso para a independência, e motivo de desgosto para Gandhi e de certa forma o motivo da morte dele, uma vez acusado pelo nacionalista hindu que o assassinou de ser tolerante demais com os muçulmanos.

Veja aqui entrevista com Gandhi, à época da luta pela independência:

Vegetarianismo Político

Um aspecto que exprime as posições de Gandhi da não violência, da autonomia ou autoconfiança e da autopurificação é a opção pelo vegetarianismo. É uma tradição hindu muito forte, mas nem todo mundo na Índia é vegetariano. O fato é que o vegetarianismo de Gandhi é um elemento político. Quando se discute hoje o desenvolvimento sustentável, o fato de ser vegetariano ou, pelo menos, quase vegetariano, adotando a postura gradualista de Gandhi, pode ser importante. O vegetarianismo dele expressa muito bem suas posições básicas diante da vida, porque é uma forma de produzir melhor, destinar melhor as terras e a produção para satisfazer todo o mundo, no mundo inteiro. Já existem cálculos mostrando que isso seria possível se as terras fossem mais dedicadas à produção vegetariana do que à carnívora.

Gandhi nunca recebeu o Prêmio Nobel da Paz, apesar de ter sido indicado cinco vezes a ele, entre 1937 e 1948. Décadas depois, no entanto, o erro foi reconhecido pelo comitê organizador do Nobel. Albert Einstein disse sobre ele: “As gerações por vir terão dificuldade de acreditar que um homem como este realmente existiu e caminhou sobre a Terra”.

O Legado

Pensei muito antes de pesquisar e escrever tudo isso. Recortes de outras cabeças. Observação das notícias. A falta de alusões a Gandhi, 72 anos após seu assassinato, no dia 30 de janeiro de 1948.

Tantas manifestações pelo mundo globalizado. Por tantas causas sem causa. Outras afins. Um oceano de informações pululando em nossas mentes. Rolezinhos. Passeatas. Marchas com deus e o diabo. Incêndios. Tsunamis. Terremotos e inundações. O mundo em movimento. O planeta ardendo em chamas. Governos caindo de podre. Jovens buscando encontrar um lugar no futuro. Tanta violência. Em casa. Na rua. No trabalho. No lazer.

Fui até a Praça Túlio Fontoura, em frente ao parque do Ibirapuera, em São Paulo, pela manhã. Lá estava a estátua de Mahatma Gandhi. Algumas pétalas. Cruzo com um indiano de branco e lágrimas nos olhos.

Ele passa por mim… desolado… talvez tenha deixado as pétalas; eu, nem isso. Ao contrário dele, não chorei, só senti. Olhei bem para aquela estátua tão bem esculpida… e sorri.

Pensei na história daquele homem até aqui.

Caminhei lentamente até o parque procurando me embebedar das benesses do verde que se derramava para que pudesse ter alguns momentos de solitude neste inferno, que não é o de Roberto Carlos.

E pedi: só quero a sua paz…

De lá segui para o trabalho.

A surpresa

À noite, me reuni com algumas pessoas, talvez ingênuas como eu, no Centro Cultural da Índia, para assistir a uma mesa-redonda sobre a ocupação Gandhi no século XXI.

Após a breve contação de histórias de Tininha Calazans, uma fada, começa o bate-papo com quatro jovens: Pedro Kelson Batinga, coordenador dos projetos de cultura de paz da Palas Athena; Anielle Guedes, economista, presidente do Centro de Empreendedorismo da Universidade de São Paulo; Mariana Campanatti, publicitária e cofundadora do Movimento Imagina na Copa; e André Gravatá, coautor do livro “Volta ao mundo em 13 escolas” e integrante do coletivo Educ-Ação. Esses jovens me chamam a atenção principalmente pelo entusiasmo (que, segundo os gregos, significa ter o deus dentro de si). Talvez isso explique tudo, mas, às vezes, não enxergo esse entusiasmo em outros jovens, salvo quando é para olhar para seu próprio umbigo.

O mais interessante é que eles dizem se inspirar em Gandhi. Não só eles, mas também outros jovens da Índia e da Grécia que acessaram o portal do encontro.

Ora, ora, se assim é, nem tudo é caos nas fronteiras ardentes de Dante.

Se 66 anos após seu assassinato Gandhi estava mobilizando jovens acadêmicos e da periferia em várias partes do mundo e no Brasil, já terá valido a pena.

Johan Galtung, sociólogo norueguês criador da disciplina estudos de paz e conflitos, chama isso de transcendência. É uma inovação: inventar saídas em situações difíceis de conflitos, e o político, o partido político, a força política, a força social ter a capacidade de criar uma posição para onde possam migrar posições conflitantes e as duas posições possam crescer. Essa é uma questão fantástica, a própria essência, a mais alta função da política: transitar não como se fosse um negócio, a compra de um carro ou de uma casa, mas para a criação de uma posição nova.

Gandhi quer que as pessoas, as classes, os grupos, as aldeias, os países, não só a Índia, tenham autoconfiança e autonomia, dependam o menos possível de outras forças e possam viver. E para isso é necessária uma vida a mais simples possível, para não depender de bens que não se consegue produzir nem ter. Esse é o outro elemento-chave, junto com a não violência, a autonomia, a autoconfiança.

Apesar das cicatrizes das guerras. Apesar dos rancores dos conflitos. Apesar das tristezas das batalhas.

Olhar o entorno.

O convite. O sonho é agora.

Gandhi dizia ser bom sinal quando “olhamos melhor nossos próprios defeitos”. Assim nos tornamos melhores amigos de nós mesmos.

Ao tecermos nossa própria indumentária, renunciamos a ambicionar a dos outros.

Ao produzirmos nosso próprio sal, aprendemos a consumir conscientemente.

Aprimorando nossa dignidade e guardando-a como um grão precioso. Fazê-la crescer e prosperar sem nos violentarmos por causa de caprichos de qualquer podre poder.

Num encontro em que o cônsul não discursa, mas canta… e encanta… isso me diz ao coração que é possível ter esperança.

E vou-me embora.

Ao chegar em casa, lá pelas 22h45, coloco a chave no portão. Rua deserta. Um homem surge na esquina e grita para mim, num inglês tipicamente oriental.

Please, miss… Speak English?

Respondo, atônita:

Yes. From India?

Ele responde:

From Pakistan. Where is the supermarket? Need to buy soy milk for my child.

Eu indico:

Two more blocks and turn your right. Run, it´s closing!

Ele sai correndo…

Eu entro. E me permito sonhar com a paz mundial.

Mani Bhavan -residencia de Gandhi em Mumbai, onde morou por 17 anos e escreveu o SatyaGraha

No dia em que voltei para o Brasil. Mais uma vez encontro com Gandhi,no aeroporto, para me dizer:Até Logo! #oAmorSIM

O texto acima foi escrito no dia de desaniversário de 66 anos do Assassinato de Gandhi.

A visita à sua residência, em Mumbai ,foi feita em 2018

Para GUIMARÃES feito ROSA shellAHAvellar

maxresdefault.jpg (1280×720)

Inspirada em a TERCEIRA MARGEM DO RIO

As pessoas não se morrem.Se pegam de encantamento.

E o rio..corre. Um crescer e desconter-se . O de fugir para um espaço em branco.

E a vida?

Um constado de diversidades que podiam doer na gente,nem pelo antes,mas pelo depois.

A vida se passa assim como que num rio.

Hoje menino amanhã feito homem.

Põe família.Coisas de comer que não se iam de fazer míngua.

A mulher- moça que antes vivia nos docementes. Hoje enfeitada de disparates..

Alguma coisa não vigorava certa ,nem no tom nem no dizer das palavras.

Noutro derrepente. Do meu mais longe.

Assim num consumiço sem despedida nenhuma.

Que nem eles nem elas haviam de poder entender.

Rosa-Mister-Lincoln-2.jpg (1000×898)

GUIMARÃES exala ROSAS shellAHAvellar

Quando minha filha me contou que alguns colegas e ela iriam montar um projeto inspirado em Guimarães Rosa,fiquei encantada.Sim.Porque Guimarães me encanta sobremaneira.

Tudo nele repercute em mim de uma forma turbulenta e amorosa.Não que uma coisa seja sinônima da outra..Mas porque Guimarães é este complexo de sentimentos “ avessados” que caracterizam sua arte exposta como ferida que a gente carrega e lambe com medo de se curar e de se esquecer do sábio percurso que permeia a doença .

Guimarães tem ritmo e silêncios ensurdecedores.Guimarães se reinventa nos deixando perplexos.Eterniza-se em cada sílaba,que parece estar ali para nos sobressaltar continuamente para não olvidarmos a nossa triste condição de mortais .Entretanto generosamente nos presenteia com a imortalidade em cada grito calado.

Assisti ao início do processo num apresentação intimista em junho deste ano.E minha colocação junto ao orientador ,diretor e atores foi naquele momento não ter reconhecido Guimarães ,em sua mais completa tradução.Foi muito reconfortante o camarada bate-papo pós- apresentação,com almoço estendido.A Escola Livre de Teatro permite este entrosamento.

Daí…tempos depois,dia 25 de outubro,fui assistir à estréia da Mostra do Processo.Que delícia poder comprovar a evolução do processo e o amadurecer dos atores Rodolfo Chagas,Renata Santos e Ayiosha Avellar .A cenografia de Leon .A luz de Fernando Melo..A direção do jovem diretor Filipe Ramos sob a batuta do orientador Luiz Fernando Marques(LUBI).

Tudo ali transpirava Guimarães em seu conto A Terceira Margem do Rio.Saí de lá feliz por ter tido a oportunidade de presenciar o resultado.Manifestei minha satisfação e saí de lá repleta.Vontade de ficar sozinha e de saborear aquele momento internamente.

Minha filha cresceu e não percebi.Como nenhuma mãe aceita que seu bebê cresça e caminhe por suas próprias pernas.Mas a atriz ,essa sim..embora ainda tenha uma longa estrada..já está no caminho.

Hesitei muito em escrever sobre isto,porque fica um tanto o quanto cabotino falar da própria carne.Mas o teatro visceral que respiro na ELT me leva a um passado de chumbo e glórias.Dores e Conquistas.Me vejo ali naquele grito calado de Guimarães e revejo minha trajetória até aqui.Não sei o que vem poraí mas sei que até aqui já posso me locupletar de não ter me devastado em vão.

E,como disse pra mim ,noutro dia, um senhor muito simples,”a vida é uma farra”.Ri muito e completei “ tem que saber aproveitar pra não sucumbir à ressaca”.

Vamos então festejar a obra criativa deste grupo de jovens artistas que nos deixam sabor de fruta madura na boca.

Convido a todos a ir lá conferir.

Cia Curva de Rio apresenta:

“DOS DIAS QUE CARREGUEI A AUSÊNCIA NA PONTA DO NARIZ”.

ULTIMAS APRESENTAÇÕES!!!!

Sáb – 01 /Nov 20 h Dom – 02/Nov 19 h

Mostra do núcleo de Direção da Escola Livre de Teatro) Orientação: Luiz Fernando Marques Lubi Direção: Filipe Ramos Atores criadores: Ayiosha Avellar, Renata Santos e Rodolfo Chagas

Concepção de Luz: Fernando Melo

Cenário: Leon Henrico Geraldi Assistência de criação: Julia Anunziato

DEDO EM RISTE shellAHAvellar

voc%C3%AA+%C3%A9+respons%C3%A1vel.jpg (419×480)

Tenho por hábito comentar fatos que me chamam atenção pelo simples fato de achá-los interessantes. Escrever crônicas sobre coisas simples pelo simples fato de serem simples.

Inventar contos porque contar histórias pode ser um aprendizado mútuo quando se desloca a fantasia da realidade nem tão fantasiosa assim.

Opinar sobre obras de arte ,filmes e peças com o cuidado de falar sobre o que me transpassou, me tocou, me transformou. Talvez nem seja a preferida do grande público ou da crítica especializada mas foi como chegou até a mim.

O que não significa que tudo que deixo de comentar não foi porque não gostei.

Entretanto me deparo às vezes, ou quase sempre, com debates pós-espetáculos de teatro, que me deixam estupefata.

Processos criativos bem embasados e construídos em cima de árduo trabalho de equipe de dramaturgos, atores e diretores e designers de luz,som, figurino e cenografia,se expõem à carne viva,tentando perscrutar cada elemento da platéia e obter um consenso que vá ao encontro deste esforço hercúleo .No afã de se despir do orgulho da obra que se apresenta,a equipe deixa de se apropriar da mesma.

Ora, é claro que jamais existirá um consenso. Senso de coletivo é aceitar a diversidade. Saber que nada vai estar pronto. E que a arte por si só é ampla, geral, irrestrita.Se assim não for não será arte.Sem direitos de cidade.Sem formatações.Entretanto qualquer obra tem que ter um ponto de partida ainda que nonsense ,absurda, abstrata ou alternativa.É preciso partir sem amarras ,mas sabendo para onde ir.E este ir pode ser mudado,recheado,transfigurado ou mutilado,mas ainda assim partiu de algum lugar inusitado lá onde os sonhos ou pesadelos acontecem.

Há os críticos que vão ao espetáculo de dedo em riste prontos a metralhar técnicas, vociferar citações , entabular métodos e literalmente “enquadrar a obra”,doa quem doer.

E estes, sim,são os experts.Os que execram a obra.Os que chegam atrasados.Os que xingam a sua mãe.Se você focar no positivo do contexto e nas potencialidades dos atores envolvidos,está se arriscando a ser taxado de paternalista.

Volta e meia me deparo com estas contradições poraí afora.Em algumas universidades, os professores enrolam para dar tempo dos atrasados chegarem.Enquanto isto,os que chegaram na hora tem de amargar esta espera,com um sorriso amarelo.E um “Tudo Bem!”.

Num certo colégio de elite que dei aulas há uns anos atrás,o nível de conversa na sala dos professores era sempre de baixo calão e o sentimento vigente era o ódio mordaz aos alunos.Houve uma devassa no corpo docente.Ficou somente uma das professsoras .Surpreendentemente a mais desequilibrada e a mais ferrenha inimiga dos discentes.

Se você está cansado de focar no positivo,ser solícito ou companheiro, cuidado.

A menos que tenha “bala na agulha” tais como, prestígio, e uma agenda invejável, está arriscado a ser banido de vez de um grupo cujo pertencimento é tão volátil quanto a fumaça daquele cigarrinho amigo do camarada politicamente incorreto mais bem respeitado do planeta.

DA BANALIDADE DA VIDA OU DE “FAZEDORES DE ANJOS” shellAHAvellar

Tenho pensado muito nos últimos tempos, eu diria “quase todo dia”..sobre estes públicos de risco e em situação de exclusão.

Mas apesar de ser sensível e solidária a todo este leque de pessoas sob ataques e perseguições estúpidas, a questão da mulher e seu lugar no mundo,volta sempre a incomodar.

Até porque também faço parte deste target.

Ontem, no final da tarde, na fila do supermercado, uma senhora entrou meio apavorada dizendo que o vigia de uma casa em obras no Brooklin, encontrou morta ,uma menina de aparentemente 10 anos, com sinais de violência e estupro.

As reações ?Normais, de espanto,e indignação.E não faltou quem dissesse que as meninas “de hoje” aos 10 anos já parecem mulheres , e se vestem de maneira extremamente sensual.

Daí, me veio à cabeça ,a mulher saudita que foi estuprada e “de quebra “,por isto,recebeu 200 chibatadas e prisão por 6 meses.

E , pensei na menina.Que nome teria? Teria pais vivos e presentes? O que estaria fazendo porali?

Resolvi batizá-la de “Angel”.E tentei desenhá-la no auge de seus dez anos: -Será que ia à escola?Fazia todas as refeições do dia?Se tinha sonhos?Se gostava de estudar ? O que será que ela gostaria de ser ,ou vir a ser ou de ter sido? De amar e de ser amada?

E esta coisa me pega e me remexe e me embrulha , num misto de cansaço e solidão.

A gente que escreve, pode esboçar os afrescos do imaginário e dar à menina o retrato que merece: -”simplesmente menina.”

Penso nas meninas de 10 anos que conheço.Na menina que fui.Na menina que minha filha foi.

Nas meninas –mulheres de todos os matizes que vivem por aí afora.Nas molecagens.No abandono das bonecas e em suas recaídas .Nos bichinhos de pelúcia que vão ficar sem seu abraço companheiro de noites insones ou medrosas.

Dos olhares românticos para aquele menino ou menina especial. Dos diários cor- de- rosa. Dos papéis com marcas do batom das mães. Das intermináveis tagarelices ao celular com as melhores amigas .Dos vestidos floridos e esvoaçantes .Da ansiedade das festas. Das tristezas sem motivo. Da euforia gostosa de simplesmente existir e ter a vida pela frente.

A vida que se banaliza pelo instinto selvagem.Pelo animal que grita e se sobrepõe ao racional impotente.

A vida, que num átimo ,em que a ternura dá lugar às línguas sedentas ,mãos violentas, órgãos invasores,de homens que ignoram a nobreza em si próprios.

Será que tentou resistir ao flagelo?Ou aquela memória não esperava a derrota pra se revelar?

Teria uma fé clandestina que a mantivesse viva? Pra testemunhar seus horrores?

Será que tentou gritar?Será que algum transeunte a ouviu ,mas não tinha “tempo” de parar para averiguar se alguém de sua “raça humana” precisava de ajuda?

Mas ,após o fato “consumado”, muitos destes transeuntes apressados, tem tempo de parar,” para saber o que houve, para ter o que contar quando voltar pra sua casa .

E, alguns destes ficam ali por horas, se alimentando da dor alheia. Para compensar a opacidade de seus dias .E contam um conto mais um ponto. Porque quanto mais sensacional suas invencionices, mais ouvintes gulosos serão saciados. Até a nova tragédia urbana.

Saio correndo do supermercado, apresso o passo, cada vez mais fortemente.

Preciso ir pra casa.Chorar baixinho por Angel, esta desconhecida tão familiar.

A melancolia me leva até o universo das luas , que se compadecem dos artistas e faz brotar de suas feridas, imagens oníricas que o desprendem de sua realidade fúnebre.

E me inebrio com o farfalhar de asas de Angel , que alça vôos mágicos para bem longe das ninharias e dos monstros antropóides que ,com seu bestiário, insistem em molestar as crianças e “fabricar anjos”.

Aceno para Angel,que deixa atrás de si rastros de estrelas e poeira de fim de mundo.

https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2020/08/justica-autoriza-aborto-em-menina-de-10-anos-gravida-apos-estupro-no-espirito-santo.shtml

https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2020/08/exame-de-dna-confirma-que-tio-estuprou-e-engravidou-crianca-de-dez-anos-no-espirito-santo-diz-tv.shtml

O DIA EM QUE A LITERATURA DEIXOU DE EXISTIR

shellAHAvellar

E Fez-se o Caos.

Estabeleceu-se a treva.

De repente, tudo era escuridão. As cores foram se desbotando até se perderem no zoom-in de um tempo sem nenhum lugar. O tênue limite entre Céu e Terra se esvaiu numa fumaça bolorenta. O chão se fez lodoso, e a aridez tomou conta de tudo.

Já não havia formas, somente projeções de sombras da sombra propriamente dita.

Não havia som.

A explosão do início, repetiu um Big- Bang às avessas, implodiu o Planeta, as galáxias e as estrelas e o universo inteiro até se afundar num buraco negro.

Não havia mais identidade

Perderam-se as referências. Era apenas um deserto de almas penadas.

As letras despencavam aflitas. As vírgulas se contorciam sem direção.

As exclamações se amuaram. As interrogações desistiram das respostas.

As figuras de sintaxe se esfacelavam invertendo as elipses, zeugmas e hipérbatos.

As metáforas confundiam os sentidos figurados e a verdade.

Sujeitos foram envenenados e verbos ficaram sem objetos diretos.

As fitas do DNA das palavras se dissolviam numa sopa de ignorância absoluta.

Artistas, professores, escritores e intelectuais num átimo de desespero tentavam ressuscitar a criatividade.

Heróis, mitos, bandidos e malfeitores trocaram de personalidade e se fundiram numa coisa só, desconstruindo ilusões de um final feliz.

Aventuras e ficções se tornaram uma realidade apocalíptica.

As histórias se metamorfoseavam em estórias retratando apenas anti-memórias e as fábulas faziam triunfar o diabo e suas armadilhas.

O átomo se desintegrou, engolindo as partículas, contrariando Newton, relativizando Einstein, e deixando a ciência, nos limites do perplexo.

Finalmente o mundo era uno, sem diversidades.

Lá se foram as tradições e as castas. A oposição deixou de ter sentido. A subtração odorífica, deu lugar à insipidez. E a solidão se fez presente, inundando os restos de nossa possível esperança.

Signos, sinais, sentimentos e pensamentos queimavam num inferno sem chamas e sem calor.

Flutuando no vazio de mim, me permiti experimentar a desistência. Simplesmente me morri, quando O FASCE sentenciou:

– “A partir de agora, a Literatura deixa de existir.”

A palavra “fascismo” vem do italiano fascio, que significa “feixe”. Na Roma Antiga, O FASCE (versão em latim da palavra), era um machado revestido por varas de madeira. Ele geralmente era carregado pelos lictores, guarda-costas dos magistrados que detinham o poder. O FASCE era um símbolo de autoridade e união: um único bastão é facilmente quebrável, enquanto um feixe é difícil de arrebentar.

https://super.abril.com.br/historia/voce-sabe-o-que-e-fascismo-entenda-o-termo

https://exame.com/economia/proposta-de-guedes-para-taxar-livros-e-golpe-fatal-para-editoras/

UM BOM ABRAÇO SE DÁ DE PÉ ShellahAvellar

Conheci pessoalmente Audálio Dantas 17 de agosto de 2013, na FNAC Pinheiros, no Lançamento do projeto Entrevista Aberta de Guilherme Azevedo, do Portal Jornalirismo. Tive a oportunidade de lhe fazer tantas e tantas perguntas sobre seu livro As Duas Guerras de Wlado Herzog e também sobre sua trajetória no Jornalismo e na luta pelos Direitos Humanos.

Menina ainda, nos anos 60, no Rio de Janeiro, já tinha lido, na Revista Cruzeiro sobre sua “descoberta” Carolina de Jesus e seu Quarto de Despejo.

E nos Anos 70, na Revista Realidade sua matéria Povo Caranguejo sobre os Catadores de Caranguejo do Mangue da Aldeia Livramento na Paraíba.

Nem eu mesma tinha noção da importância daquele momento histórico, até começar a entrevista. Debatemos sobre Jornalismo Literário, minha paixão, até que finalizei a entrevista com uma última pergunta.

-E se Wlado Herzog, estivesse aqui agora, qual a pergunta que você gostaria de ter feito,   e deixou de fazer a ele?

Audálio parou, e seu silêncio grave, durou um minuto. Respirou e disse: -Você faz muitas perguntas difíceis…(todos rimos)

E ele respondeu: Wlado,por que você disse à Repressão que não era comunista, no seu interrogatório?

E eu disse: -Você já respondeu a esta pergunta, quando deu ao seu livro o título de AS DUAS GUERRAS DE WLADO HERZOG.

Ele disse:-Como assim?

Respondi:-Talvez porque já tivesse fugido de uma guerra, e agora enfrentando mais uma, na própria pele dilacerada, e de sua impotência frente a uma realidade brutal, tenha sentido medo. E o desespero pode provocar reações imprevisíveis.

Ali encerrou-se a entrevista e começou uma profunda amizade de respeito mútuo.

http://www.jornalirismo.com.br/videos/documentario-entrevista-aberta-com-audalio-dantas/

https://www.youtube.com/watch?v=ipX3pt-eQyk

Voltei a entrevistar Audálio Dantas, numa matéria sobre o Desaniversário do Golpe Militar em março de 2014.

http://www.jornalirismo.com.br/jornalismo/desaniversario-do-golpe-ser-de-esquerda-ontem-e-hoje/

Daí, já nos frequentávamos. Conheci sua família linda, Sua esposa, a guerreira Vanira Kunc. Sua doce e talentosa filhotinha Mariana  e a portentosa Juliana que lhe seguiu os passos. Bem como os filhos de outro casamento e de seus leais amigos .Estive presente em vários lançamentos e comemorações familiares e de honra a seu reconhecido mérito.

Mas, nada se compara à sua indicação ao prêmio Averroes 2017.

Em duas etapas. O dia da comemoração da indicação e o dia da entrega propriamente dita.

A mais perfeita tradução destes eventos é a seguinte: Um festival de Afetos.

Lá estavam pessoas que realmente lhe amavam e reverenciavam.

E, mesmo os que não se conheciam, sorriam uns para os outros, confraternizavam e se abraçavam por respeito a você.

Pensei comigo, estar aqui, no meio de tantas cabeças brilhantes, olhares límpidos e sorrisos largos era por si só uma revolução: A potência da Palavra em Ação.

E, então, ao final, me aproximei para dar um abraço e um “até breve”.

O guerreiro estava descansando da festa de entrega do prêmio Averroes.

Eu disse: – Pode ficar aí sentadinho!”

Daí ele se levantou e falou:-Um bom abraço se dá de pé!”

E, foi nosso último abraço terreno.

Entretanto o abraço cósmico se eternizou naquele momento, porque não sabíamos que seria o último.

Nos reencontramos no auditório do Sindicato dos Jornalistas, sua casa maior, em junho de 2018.

E, junto a sua família e aos seus  amigos fiéis, numa tarde triste, de mãos dadas numa ciranda ao seu redor, sob a foto de Wlado Herzog, e sob um céu que não era o de Luiz Gonzaga, se deu a despedida oficial, meio ao burburinho dos profissionais de Comunicação e do Jornalismo que você tanto amou e que lhe trouxe tantas alegrias e desapontamentos.

E, hoje, quando você completaria 91 anos, aqui vai o meu abraço.

Em plena quarentena, face a uma pandemia sem precedentes na história da humanidade, sob a chibata de um fascismo mascarado de Democracia. Aquela mesma, nossa velha conhecida, sempre ameaçada de morte ao longo das civilizações.

Permanecemos todos de pé, ainda que com o coração partido e os pés sangrando.

E, sim, querido camarada Audálio.

O nosso grito é o seu grito.

E, embora o povo se arraste ,neste momento infernal, por uma uma onda de estultícia e embrutecimento , a Liberdade criadora modela a natureza e a delicadeza exalta o sublime .

Feliz Aniversário!

ps: agora você já deve ter tido a resposta do  Wlado, à sua questão, ao vivo e em cores do outro lado da vida.

http://www.sjsp.org.br/noticias/audalio-dantas-e-homenageado-com-o-premio-averroes-2017-00ea

TORTURA NUNCA MAIS Shellah Avellar

Diverse_torture_instruments.jpg (448×570)




Imposição de dor física ou psicológica por crueldade, intimidação, punição, para obtenção de uma confissão, informação ou simplesmente por prazer da pessoa que tortura

A TORTURA

CAI DENTRO DA MEMÓRIA

PARA MATAR

A LEMBRANÇA

DA LEMBRANÇA.

A TORTURA

AFOGA A JUSTIÇA

PARA MANOBRÁ-LA

À SUA VONTADE.

A TORTURA

DISTORCE A VERDADE

PARA  EXTIRPAR

A CAPACIDADE DE TER

VONTADE.

POR ISSO,

HOJE EU DECRETO:

AQUI JAZ A TORTURA!

AQUI JAZ A MESTRA

EM DESASTRES!

AQUI JAZ

O SILÊNCIO IMPOSTO!!

AQUI JAZ A VIOLÊNCIA!

AQUI JAZ A PELE DILACERADA.

AQUI JAZ O PEITO ENSANGUENTADO DE MENTIRAS.

POR ISSO, HOJE,

DESFEITA A SOCOS,

SEM TRINADOS OU RIMAS,

SEM MEDO DE NÃO SER NADA,

CÉLEBRE OU ANÔNIMA

PROCLAMO MEUS AIS:

TORTURA NUNCA MAIS!

O crime de tortura é inafiançável e insuscetível de graça ou anistia.

Redação dada pela Lei nº 10.741, de 2003

torturaszapateando.gif (477×304)
TORTURA NUNCA MAIS

TRANSversando Shellah Avellar

CADERNO ABERTO

NA PÁGINA

TRANS.

TRANSGRIDO.

SOU MEU PRÓPRIO ANJO.

CAÍDO.

CELULAR EM VIVA-VOZ

QUE DÁ SEMPRE

SINAL DE OCUPADO.

TRANSITIVA.

BINÁRIA.

MÚLTIPLA.

SUBVERTO.

SUJEITO

INEXISTENTE,

RODOPIO.

SILENCIO.

GRITO!

MARIPOSA

DE NOITES LOUCAS.

TRANSCENDO.

DE UM DIA

QUE EU NÃO SABIA

QUEM EU ERA.

ME JOGO

EM NUVENS

DE SUSTO.

QUE, LOGO,

ME MADRUGAM.

ECOS CEGOS.

MISTÉRIOS.

POESIA

FRIA.

HIERÓGLIFO.

DESVENDO A MULHER

PLENA.

METAMORFOSE DE SIGNOS.

BORBOLETA -DESVARIO

QUE VOA

TRANSCREVENDO

A PRÓPRIA

HISTÓRIA.

REFUGIADOS Shellah Avellar

REFÚGIO

                A CÉU ABERTO

REFUGIADO

                      EM VIAS

                      ENVIESADAS

                              ESCALA DE SI

                   SEM                         SOL

                                PONTO DE FUGA                         

                   SEM                                     ORIGEM.

                                          O                HORIZONTE

                                                                    É ONTEM.

REPÚDIO

              AO LÉU.INCERTO.

REPUDIADO

                      EM ALEGRIAS.

                    SEM VOZ.

                    SEM CORTESIAS.

 PÁSSARO SEM

     TRINADO.

             OVO

                     SEM CHOCAR.

                     GEMA      FORA

                           DE LUGAR.

CARÍCIAS        

                            DE          

                              ESCORPIÃO.

                            DESCANSA

                NO                   CHÃO.

    BANHADO EM ÁGUAS FÉTIDAS.

                                                        SONHOS

                                                        SACOLEJANTES.

    BARCOS  

  FURADOS.

            MALAS  VAZIAS.

                      SEM PAIS.

                      SEM PAÍS.

                                         LUTO DA PRÓPRIA

                                                          HISTÓRIA.

                                          NUDEZ   

                                                     DE        ESPERANÇA .

                                 GLÓRIAS                                            ABORTADAS.

                      TEMPOS                 DE  

                                                       DESPREZO.

                                                      

1450152434446.jpg (620×349)

https://www.cnne.net.br/poesia-inedita-2019